Idoso: níveis de coordenação motora sob prática de atividade física generalizada


>



Introdução

Em 1970, a população idosa brasileira era de 5,1%; dez anos depois, em 1980, já chegava a 6,1% e em 1990 foi para 7,2%. Estima-se que em 2005, esta constituirá 15% da população e ainda, que em 2025 será a sexta maior população idosa do mundo, com cerca de 32 milhões de pessoas acima de 60 anos (Shouri Jr. et. al., 1994). Este crescente envelhecimento populacional vem despertando interesse de diversas áreas de estudo.

Surge, então, uma preocupação não só com a quantidade de anos que se vive, mas essencialmente com a qualidade de vida com o avançar da idade.

Devido à acomodação, característica da velhice estereotipada, os idosos passam por problemas que vão aumentando em número e grau com o passar do tempo, entre a diminuição da força muscular e o comprometimento da locomoção, diminui-se também a coordenação motora, tornando as tarefas do cotidiano ainda mais difíceis de serem realizadas.

Entretanto, para Bolkovoy e Blair (apud Silva, 1989) esse processo pode ser amenizado com um programa dirigido de atividade física, o que permite aos indivíduos manterem níveis ótimos das funções para sua idade.

Nesse sentido, as atividades físicas generalizadas devem estar em evidência nos estudos referentes a esta faixa etária.

Assim sendo, o objetivo deste estudo é verificar, o que acontece com os níveis de coordenação motora, de mulheres idosas, quando se submetem a um treinamento sistemático que se caracteriza por atividade física generalizada, no sentido de conscientizar essa população o quanto ela se beneficia com essa prática.


O idoso

A existência humana é marcada, nos seus extremos, por dois fenômenos opostos, a vida e a morte. O ser humano então, passa pela infância, atravessa a mocidade, atinge a maturidade e, finalmente, chega à velhice. Aparecem, então, os primeiros sinais evidentes da usura de todo o organismo (Rosa, 1983).

Para a Organização Mundial de Saúde (OMS, apud Weineck, 1991) é considerado como idoso, o indivíduo que tem entre 61 e 75 anos de idade.

São encontradas várias classificações sobre envelhecimento na literatura, contudo pode-se observar um consenso, no qual, o indivíduo acima de 45 anos poderá dar início a várias limitações negativas, tanto biológicas quanto psicológicas e sociais, decorrentes desse processo de envelhecimento.

A velhice é um período de declínio caracterizado por dois aspectos: a senescência e a senilidade. A senescência é o período em que os declínios físico e mental são lentos e graduais, ocorrendo em alguns indivíduos na casa dos 50 e em outros, depois dos 60 anos. A senilidade se refere à fase do envelhecer em que o declínio físico é mais acentuado e é acompanhado da desorganização mental. Aqui, também, encontramos as diferenças entre as pessoas; algumas se tornam senis relativamente jovens, outras antes dos 70 anos, outras, porém, nunca ficam senis, pois são capazes de se dedicarem a atividades criativas que lhes conservam a lucidez até a morte (Rosa, 1983).

Para Pikunas (1979), as capacidades funcionais dependem principalmente do sistema circulatório, que fornece oxigênio, fluídos e nutrição. As paredes dos vasos sanguíneos, artérias, veias e capilares endurecem e se tornam mais estreitas com a idade. Isto interfere na circulação satisfatória do sangue; o endurecimento dos capilares perturba o suprimento de nutrientes aos vários sistemas e órgãos do corpo, inclusive o sistema nervoso central, começando a atrofia gradual dos músculos e dos tecidos, diminuindo o vigor, peso e imunidade à infecção de órgãos vitais como o cérebro, os pulmões e o coração.

Segundo Rosa (1983), alguns dos aspectos mais visíveis do processo do envelhecimento são as rugas, os cabelos brancos, a redução da capacidade de locomoção, a redução da força física e a falta de firmeza das mãos e pernas. As funções sensoriais são as mais afetadas pelo processo de envelhecimento. A capacidade de ouvir começa a sofrer reduções, há o declínio da visão causado pela deteriorização da córnea, da lente, da retina e do nervo óptico. Ocorrem também consideráveis mudanças nos sentidos do olfato e do paladar.

Ocasionalmente, devido a todo esse processo, há um comprometimento da coordenação motora e uma crescente diminuição do rendimento motor desses indivíduos idosos, podendo perceber regressões gradativas nas atividades diárias, profissionais ou psíquicas. Comparando pessoas inativas na prática esportiva com pessoas ativas nesta fase, as diferenças individuais são muito mais observadas, pois a pobreza de movimentos conduz à atrofia da habilidade motora (Meinel & Schnabel, 1984).

Na velhice, a dificuldade de realizar tarefas fica evidente: as distâncias mais longas, as escadas mais difíceis de subir, as ruas mis perigosas de atravessar. O mundo torna-se uma ameaça para o idoso.

Assim sendo, a atividade física generalizada precisa ser vivenciada e receber mais importância do idoso. A coordenação motora, por exemplo, se for exercitada pode amenizar os danos causados na sua eficiência pelo processo de envelhecimento.


A coordenação motora

A coordenação motora, segundo Rauchbach (1990), é a base do movimento homogêneo e eficiente, que exige uma extensa organização do sistema nervoso, com utilização dos músculos certos, no tempo certo e intensidade correta, sem gastos energéticos.

É comum ouvir-se dizer que determinadas pessoas são descoordenadas e até desajeitadas, pois, quando solicitadas, suas respostas psicomotoras a alguns movimentos não correspondem ou são executados de forma inadequada.

A coordenação psicomotora ou neuromuscular se faz presente e é necessária em todos os movimentos que as pessoas fazem, variando apenas no grau de solicitação. Quanto melhor for a qualidade da coordenação, tanto mais fácil e precisamente será realizado o movimento. A realização do movimento torna-se mais flexível e econômica, de modo que decresce o consumo energético e, consequentemente, a capacidade máxima de oxigênio cresce em relação a uma determinada solicitação muscular, baixando, simultaneamente, o nível de fadiga (Hollmann apud Silva, 1998).

Segundo Van Norman (apud Silva, 1998), a coordenação pode ser trabalhada com seqüências de movimentos e uma infindável variedade de combinações de braços e pernas. Esta desempenha um papel fundamental na prevenção de acidentes e pode deteriorar-se rapidamente se não exercitada. Quanto mais complicado o desempenho motor, tanto maior será a importância da coordenação. Seu aperfeiçoamento, através da repetição, transformará um acontecimento consciente, ligado ao córtex cerebral, em um processo de evolução inconsciente, cuja automotricidade está entregue aos centros cerebrais secundários. Desse modo, o córtex é aliviado por um lado, e por outro, a realização de movimentos passa a ser dominada com mais segurança e exatidão do que anteriormente. O desenvolvimento da coordenação resulta em maior precisão de movimento e maior economia de esforço muscular porque há menor atividade muscular extrínseca. A precisão do movimento depende de inibição ativa de todos os neurônios motores, exceto os envolvidos no movimento desejado.

A coordenação motora tem atributos que permitem que o corpo tenha uma estrutura autônoma, ou seja, encontra em si mesmo sua organização. É como elemento autônomo que ele entra em interação com o meio externo (Piret & Béziers, 1992).

Hollmann (apud Silva, 1988), faz uma classificação, quanto ao tipo da coordenação:

Coordenação intramuscular: cooperação neuromuscular;

Coordenação intermuscular: cooperação de diversos músculos;

Coordenação motora-fina: harmonia e precisão dos movimentos finos dos músculos das mãos, pés e rosto, ou coordenação dos músculos pequenos para atividades finas;

Coordenação visio-motora: coordenação de movimentos que são orientados pela visão, associada a outras habilidades. Exemplos: olho- mão, olho- pés.

À medida que os anos tardios da vida se aproximam, há um declínio marcante nas capacidades físicas devido à crescente diminuição do rendimento motor, que variam de pessoa para pessoa, conseqüentes das inúmeras alterações do organismo humano no decorrer do processo de envelhecimento, vistas anteriormente neste estudo.

Portanto, a eficiência da coordenação motora também é comprometida, podendo até mesmo deteriorar-se se não for exercitada.


A coordenação motora e o idoso

Os exercícios físicos funcionam como recursos poderosos contra o envelhecimento do corpo e da mente, eles retomam a auto-estima. As pessoas idosas beneficiam-se de uma forma geral, especialmente com exercícios para melhoria da postura, mobilidade e eutonização da musculatura, respiração e resistência, aumento dos reflexos, da coordenação e equilíbrio. Assim sendo, a coordenação motora deve estar dentre os principais fatores a serem trabalhados num programa de atividade física dirigido para o idoso.

Dentre os vários tipos de coordenação, a óculo-manual é particularmente importante na vida dos idosos, pois as funções sensoriais são as mais afetadas pelo processo de envelhecimento, levando a um declínio da visão causado pela deteriorização da córnea, da lente, da retina e do nervo óptico e, também, de uma falta de firmeza das mãos e pernas. Assim, tarefas como: abotoar as próprias roupas, escrever, digitar, cortar com faca, manipular uma agulha ou alfinete, discar número de telefone, requerem um certo nível desse tipo de coordenação para o indivíduo levar uma vida independente (Rauchbach, 1990).

Os exercícios de coordenação que devem ser trabalhados com os idosos devem visar os padrões de movimentos da vida diária (é bom lembrar que pensando nisso é que o Projeto de Extensão Universitária, "Atividade Física na Terceira Idade", escolheu o Teste de Coordenação utilizado por eles e que será mostrado e analisado detalhadamente por este estudo), não sendo necessários jogos de movimentos complexos que causam desconforto pela dificuldade na execução. Opta-se então, por movimentos coordenados de braços e pernas, mão e mão, mão e pés, educando dessa forma, a ação reflexa dos movimentos nas ações do dia-a-dia.

Alguns exemplos de exercícios que podem ser trabalhados são: marchar em diferentes formas, com joelhos altos ou pernas esticadas, para frente, para os lados e para trás, variando os movimentos dos braços, em um determinado ritmo ou livremente (maneira mais fácil de desenvolver os movimentos coordenativos nos idosos). Pode-se trabalhar também com movimentos coordenativos isolados, movimentos só de braços ou só de pernas, mas o idoso leva mais tempo para assimilar e o professor deve ser paciente para não desmotivar (Piret & Béziers, 1992).


Metodologia

Foi feito um levantamento dos resultados dos testes de coordenação motora, realizados entre os anos de 1997 a 2000, cedidos pelo Projeto de Extensão Universitária, "Atividade Física para a Terceira Idade", do Departamento de Educação Física, da Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus de Rio Claro. As atividades práticas disponíveis para os participantes desse projeto são realizadas três vezes por semana, nas terças, quartas e quintas-feiras, no período das 7:00 às 8:00 horas, onde os alunos optam entre dois tipos de atividades ao dia, escolhidas no início de cada ano. As atividades são organizadas da seguinte maneira:

Terça-feira: Dança e Musculação.

Quarta-feira: Biotonia e Ginástica.

Quinta-feira: Esportes e Atividades Lúdicas.

A população alvo do presente estudo foi constituída por 10 indivíduos do sexo feminino com idade entre 62 e 70 anos, apresentando uma média de 65,7 anos de idade, residentes na cidade de Rio Claro, participantes do projeto citado anteriormente, selecionados por terem maior freqüência nos testes de coordenação motora do período analisado, uma vez que, estes são feitos quatro vezes ao ano, pelos estagiários do projeto, sendo realizados em março, junho, agosto e dezembro. Existe um dia específico para a realização do mesmo, não tendo nenhum tipo de atividade física antes do teste.

Será usada a média anual individual e do grupo para comparação dos resultados. Para comparação dos resultados das avaliações, entre os anos, será utilizada uma análise de variância para medidas repetidas com nível de significância de p<0,05.

Para uma melhor compreensão do estudo, será mostrado detalhadamente através de um protocolo do teste de coordenação analisado como o mesmo é realizado (figura1).


Protocolo do teste de coordenação realizado pelos indivíduos

Teste de coordenação: Um pedaço de fita adesivo com 76,2 cm de comprimento é fixado sobre uma mesa. Sobre a fita são feitas seis marcas com 12,7 cm eqüidistantes entre si, com a primeira e última marcas a 6,35 cm de distância das extremidades da fita. Sobre cada uma das seis marcas é afixado, perpendicularmente à fita, um pedaço de fita adesiva com 7,6 cm de comprimento, formando assim seis pequenos quadrados sobre a fita maior (Figura 1). O sujeito senta-se de frente para a mesa e usa sua mão dominante para realizar o teste. Se a mão dominante for a direita, uma lata de refrigerante é colocada no quadrado 1, a lata dois no quadrado 3 e, a lata três no quadrado 5. A mão direita será colocada na lata 1, com o polegar para cima, estando o cotovelo flexionado num ângulo de 100 a 120 graus.

Quando o avaliador sinalizar, um cronômetro será acionado e, o sujeito, virando a lata inverte sua base de apoio, de forma que a lata um seja colocada no quadrado 2; a lata dois no quadrado 4 e; a lata três no quadrado 6. Sem perda de tempo, o avaliado, tendo o polegar apontado para baixo, apanha a lata 1 e inverte novamente sua base, recolocando-a no quadrado 1 e, da mesma forma, procede colocando a lata dois no quadrado 3 e a lata três no quadrado 5, completando assim um circuito. Uma tentativa equivale a realização do circuito duas vezes, sem interrupções. O cronômetro será parado quando a lata 3 for colocada no quadrado 5, ao final do segundo circuito. Caso o sujeito for canhoto, o mesmo procedimento será adotado, exceto que as latas serão colocadas a partir da esquerda - lata um no quadrado 6, lata dois no quadrado 4 e lata três no quadrado 2, e assim por diante. A cada sujeito serão concedidas duas tentativas de prática, seguidas por outras duas válidas para avaliação, sendo estas últimas duas anotadas até décimos de segundo, sendo considerado como resultado final o menor dos tempos obtidos (Gobbi, Zago, Villar & Polastri, 1998).

Através da análise de variância para medidas repetidas, observa-se pela figura 2 que há diferença entre as coletas (f3, 108 = 22,639; p< 0,000), na qual pode-se verificar que o grupo melhora o nível da coordenação motora, comparando, a média dos resultados obtidos nas primeiras coletas, com a da quarta coleta de cada um dos anos analisados. Sendo assim comprova-se o que foi visto na revisão de literatura, ou seja, a coordenação motora, quando exercitada tende a retardar o crescente declínio dessa habilidade, decorrente das inúmeras alterações do organismo humano no decorrer do processo de envelhecimento.

Já na figura 3, pode-se ter uma visão mais detalhada do desempenho dos participantes em cada ano. Nota-se então, que nos anos de 1997 e 1998, o desempenho inicial destes nos testes, não foi tão bom. Isso pode ter acontecido, pelo fato dos participantes realizarem atividade física, dentro do Projeto "Atividade Física para a Terceira Idade", comum a todos e não muito diversificada nos anos anteriores a estes. A partir de 1997, com o "Projeto" mais bem elaborado, oferecendo atividades físicas generalizadas e separadas por modalidades (dança, musculação, esportes, atividades lúdicas, biotonia e ginástica), como visto anteriormente, pode-se trabalhar mais especificamente certas habilidades, assim como a coordenação motora.

Em compensação, nos primeiros testes dos anos de 1999 e 2000, os participantes tiveram uma grande melhora, entretanto, a melhora no decorrer destes anos é menos acentuada, o que mostra que os efeitos são piores quando eles terminam o ano.

Observa-se, também que no ano de 2000, eles começaram e terminaram o ano mais ou menos no mesmo nível. Como no final desses quatro anos observados, o nível de coordenação estabilizou-se, pode ser que o treinamento sistemático de atividades físicas que é submetido aos participantes pode estar estável, não sendo mais auto-suficiente para melhorar o desempenho dos seus praticantes nos testes para tal habilidade. Entretanto, também pode ser que, como a idade desses indivíduos aumentou, pode ter ocorrido uma diminuição das suas capacidades físicas, decorrentes dos efeitos negativos do processo de envelhecimento, que pode ter causado esta estabilidade, não significando que o desempenho deles tenha piorado.

Isso pode ser observado, verificando a diferença significativa, existente entre a primeira coleta do ano de 1997 e a de 2000, a qual mostra perfeitamente o quanto eles melhoraram durante estes quatro anos, ainda mais que, como já foi dito, o envelhecimento os acompanhou esse tempo todo.


Conclusão

Levando em consideração os resultados obtidos, concluí-se que a prática de atividade física generalizada pode contribuir para a melhora ou manutenção do nível de coordenação motora dos indivíduos idosos e, assim, retardar os efeitos do processo de envelhecimento nessa habilidade.
Share on Google Plus

About Dani Souto

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment