Longe da realidade das longas filas de espera por atendimento e da precariedade dos hospitais do Distrito Federal, há quem receba em casa os...

Atendimento a domicilio gratuito no DF



Longe da realidade das longas filas de espera por atendimento e da precariedade dos hospitais do Distrito Federal, há quem receba em casa os cuidados médicos necessários para se tratar de uma doença com toda a assistência adequada. Mais de 1 mil enfermos são assistidos pelo Programa de Internação Domiciliar da Secretária de Saúde do DF, em funcionamento desde 1994. Os acamados recebem a visita de uma equipe multidisciplinar formada por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, dentistas e psicólogos.

Ildeu Lopes, de 76 anos, conseguiu ganhar peso depois que passou a ser atendido em casa pela equipe de profissionais de saúde - (Elio Rizzo/Esp. CB/D.A Press )
Ildeu Lopes, de 76 anos, conseguiu ganhar peso depois que passou a ser atendido em casa pela equipe de profissionais de saúde
A equipe orienta os parentes sobre higiene, alimentação e outros cuidados com o doente. Há 70 profissionais para atender a todo o DF. Cada paciente recebe quantas visitas forem necessárias por dia ou semana. Para ter direito a esse serviço, são necessárias algumas exigências, como ter um cuidador fixo da família ou amigo, apresentar estabilidade clínica, ser usuário do Sistema Único de Saúde (SUS) e residir na área de abrangência da equipe.

O funcionário do programa também avalia o contexto familiar do paciente. O profissional checa se há, por exemplo, saneamento e segurança para os membros da equipe e para o próprio doente. Ildeu Lopes, 76 anos, é um dos beneficiados pelo projeto. O Correio acompanhou uma visita à casa dele. Ele sofre de câncer de intestino e está de cama há um ano. Há quatro meses recebe em casa, na Quadra 1 do Park Way, o carinho e o cuidado de cinco profissionais da área de saúde. Antes disso, passou por vários hospitais públicos e particulares. As idas e vindas aumentavam o cansaço, elevavam o risco de infecção hospitalar e deixavam o idoso carente de alimentação de qualidade.

Sentimento
Depois do atendimento domiciliar, as mudanças começam a aparecer. "Ele ganhou peso e parece mais satisfeito. Ildeu perdeu a capacidade de falar depois de um Acidente Vascular Cerebral e vinha piorando. Mas agora está melhor, graças ao carinho e à dedicação que tem recebido", afirmou a mulher dele, Antonieta Lopes, 65 anos. "Era muito complicado sair de casa com ele nos braços. Se a gente tivesse um plano de saúde, não estaríamos tão bem", acrescentou.

A gerente de Atenção Domiciliar da Secretaria de Saúde, Maria Leopoldina de Castro, explica as vantagens do procedimento diferenciado. "O cuidado domiciliar é para pacientes de média complexidade, muitas vezes crônicos. Com isso, tiramos essa pessoa do hospital mais cedo, desocupamos o leito, diminuímos o risco de infecção e sai mais barato para o governo. Além de humanizar o atendimento e manter o nível de convivência social." A primeira cidade a adotar esse sistema de assitência foi Sobradinho. Hoje, outras 10 regionais de saúde oferecem a ajuda. A do Guará, por exemplo, também a Estrutural, Lúucio Costa, Iapi, Núcleo Bandeirante e Candangolândia.

Os 60 pacientes dessa região são responsabilidade da enfermeira Ana Maria Padue, da fisioterapeuta Viviane Gusmão e das técnicas em enfermagem Scheilla Freire e Aparecida Coelho. Entre outros pacientes, elas cuidam de seu Ildeu. Checam a pressão, escutam o coração e consultam como foi a semana do idoso detalhadamente. "As meninas são anjos", elogiou Antonieta.

O trabalho, aparentemente, não traz benefícios apenas para quem está doente. Quem os atende também aprende boas lições. "O contato humano é muito maior. A gente acaba se envolvendo e se importanto profundamente com aquele ser humano, criando intimidade. No hospital comum é mais correria, não dá para conhecer o paciente tão bem assim", disse Ana Maria. "A parte do sentimento é fundamental. Com certeza é a melhor forma de trabalhar", concluiu Viviane.

CONSULTE
Confira os critérios e as regiões de abrangência do programa no site www.saude.df.gov.br, no link Internação domiciliar, no canto esquerdo da tela do computador.

O QUE DIZ A LEI
A Portaria nº 2.529 do Ministério da Saúde, de 19 de outubro de 2006, institui a internação domiciliar custeada pelo Sistema Único de Saúde. Considera-se internação domiciliar o conjunto de atividades prestadas no domicílio a pessoas clinicamente estáveis. Os serviços devem ser prestados por equipes multiprofissionais compostas, no mínimo, por médico, enfermeiro e técnico ou auxiliar de enfermagem, e de equipes matriciais de apoio, essas podem ser compartilhadas com toda a rede de serviços de saúde, composta por outros profissionais de nível superior, levando em consideração o perfil da atenção a ser prestada. Deve haver uma equipe multidisciplinar para cada 100 mil habitantes. Elas devem fazer, no mínimo, 30 internações por mês.
Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter



Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Indicação de Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Poste um Comentário